Close

Not a member yet? Register now and get started.

lock and key

Sign in to your account.

Account Login

Forgot your password?

“Foi um tipo de pedalada”, afirma Skaf sobre novas medidas do Governo

Paulo Skaf, presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), criticou as novas medidas do ajuste fiscal anunciadas pelo Governo Federal nesta segunda-feira (14/9). “Foi um tipo de pedalada”, afirmou, referindo-se à transferência de fontes de pagamento, no lugar de corte de despesas. “O que era do Tesouro passou para o FGTS, ou para as emendas parlamentares.”

“O Governo não cortou na carne”, disse Skaf. “Faltou transparência, faltou clareza na apresentação das medidas”, completou. O que ficou claro, segundo Skaf, foi só a intenção do Governo de aumentar impostos. “Mais uma vez o governo transferiu o problema para a sociedade. Quer que ela pague o pato.”

Em sua opinião, as notícias são ruins para todos. “A CMPF vai pesar no bolso de todo mundo. Um imposto que já foi rejeitado e enterrado, e ressuscita pela vontade do Governo.” Skaf ressalvou que a volta do CPMF precisa ser aprovada pelo Congresso.

Juros altos, falta de crédito e aumento de impostos, que fazem partes medidas adotadas pelo Governo, formam uma “combinação perversa” que derruba a economia, disse Skaf, que espera forte reação da sociedade.

Além da falta de corte real de gastos, o Governo não agiu para combater o desperdício nem para melhorar a gestão, afirmou Skaf. “A medida que ouvi foi de criação de mais impostos, para entrarem mais recursos. E como não há medidas de controle de desperdício e de melhoria de gestão, o que se imagina é que quanto mais recursos, mais desperdício.”

Vaivém

Na avaliação de Skaf, o Governo parece perdido. “Pensa uma coisa de manhã, faz, e desfaz à tarde, no dia seguinte faz de novo, e assim vai.” Deu como exemplo a CPMF: “o Governo fez um balão de ensaio, teve uma reação péssima – e depois volta”. Skaf lembrou também que quando o governo falou na semana anterior sobre volta da CPMF, sua arrecadação iria para a Saúde. Agora, vai para a Previdência. “Toda semana muda.”

(Agência Indusnet Fiesp – 14/09/2015)

Login